Webmarketing

200 Ferramentas Top para Marketing Digital

Neste artigo são apresentadas 200 ferramentas recomendadas para Marketing Digital.

Google faz a seleção dos mais populares no Mundial

A Google divulgou a sua seleção dos melhores jogadores do Mundial 2014, até à primeira frase. A escolha dos atletas leva em consideração o ranking dos mais proc...

Marketing Digital quer especialistas

É uma das áreas emergentes e precisa de profissionais especializados. Um estudo do IPAM – The Marketing School, revela que a área do Marketing Digital está em c...

10 dicas para ser mestre de pesquisa no Google

Nem todos os utilizadores sabem como aproveitar o motor de busca da Google em pleno. Há pequenos detalhes que podem tornar a pesquisa mais eficaz e ferramentas ...

Página da NOS no Facebook: falta de ética ou polémica exagerada?

A marca que sucedeu à Zon Optimus viu-se envolvida numa nova vaga de acusações, desta vez por ter transferido de forma automática os Gostos das páginas das anti...
Page:   of 23 

PWM is a Hootsuite Partner

Hootsuite Solution Partner

Introdução ao Webmarketing

Por Carlos Ascensão 

Entrar numa homepage dum site é como entrar no átrio de um hotel. A recepção deve poder ser imediatamente localizável, assim como as suas várias secções deverão estar perfeitamente identificadas através da sinalética adequada. O restaurante, a piscina, a tabacaria e os salões para eventos, seriam assim como as páginas principais do nosso site. E a recepção constituiria o menu principal, a área de login, o help-desk e a página de checkout da plataforma de e-commerce. O átrio seria o chat on-line e o bar seria o fórum durante o dia e blogue ao fim da noite.

Introdução ao Webmarketing 

Os panfletos em cima das mesas e balcões seriam os links para outros sites.

A interacção com todas as valências do hotel condicionará não só o dinheiro que estaremos dispostos a entregar-lhe em despesas acessórias (cross-selling), como também as impressões que iremos divulgar junto dos nossos amigos sobre o mesmo (social network).  

Na cidade desta nossa metáfora todos os hotéis se confrontam com uma adversidade fatal: os clientes têm todos mau feitio. Veremos mais à frente que Os utilizadores da Internet são impacientes e desconfiados pelo que, os ‘hotéis’ que não estiverem alertas a este dado de gestão, servirão menos pequenos-almoços.

Mas, para optarmos por este hotel e não por outro qualquer entre os muitos milhares existentes na cidade, algo tivera de acontecer quando nos virámos para o céu e dissemos:

—Hotel de quatro estrelas com piscina.
De imediato ouviu-se uma voz sugerindo-nos dez opções. Era o Google.
 

O Google paira sobre toda a cidade. Está em todos os cantos. O povo adora-o porque ele, do alto do seu castelo em Mountain View, tem resposta certa e imediata para tudo, para além de lhe disponibilizar gratuitamente correio quase ilimitado e outros serviços de qualidade até agora muito dispendiosos, tais como serviços geográfico-cadastrais (Google Maps), folhas de cálculo (Google Docs) e mordomo electrónico (Google Desktop).

Além disso, tem como lema “Don’t be evil”. Por isso, à excepção do governo da República Popular da China e doutros pequenos grupos de extremistas radicais, o povo venera o Google. Venera-o tanto que o confunde com a própria cidade - a Internet.

Antes do Google se entronizar havia outras vozes no céu que, para além de não servirem almoços grátis como este, diziam muitos disparates. Eram o AltaVista, o Excite, o Yahoo e vários outros.

O Google tornou-se a ‘voz’ mais importante da cidade, porque percebeu que muitos dos disparates que diziam as outras ‘vozes’ resultavam de mentiras que os donos dos hotéis lhes contavam e que estas publicavam sem conferir. Por isso o povo já não lhes dava muita importância. Quando o povo lhes perguntava sobre pianos de cauda apareciam sugestões sobre hotéis. E quando procurava por pizzas, apareciam-lhe de novo os mesmos hotéis.

Larry Page e Sergey Brin, os donos do Google, tinham jeito para fazer contas e repararam que se criassem um algoritmo que verificasse quais os hotéis mais importantes para a respectiva categoria pesquisada, conseguiriam sugeri-los correctamente ao povo, começando pelos mais importantes e deixando para o fim os disparates. A esse algoritmo deram o nome de PageRank.

Esta circunstância de os donos dos hotéis pensarem que conseguem vender mais estadias se forem sugeridos massiva e constantemente pelos motores de busca, independentemente do interesse dos utilizadores, caracteriza e condiciona o negócio da busca. É um jogo permanente do gato e do rato. O Google soube compreender este fenómeno e trabalhou para expurgar os estratagemas daqueles donos de hotéis, ofuscando assim as outras ‘vozes’, que voltaram a dedicar-se aos outros negócios que já tinham em carteira quando tentaram oferecer serviços de busca. O Google não tinha outros negócios em carteira quando se tornou mundialmente conhecido em 1998.

Aliás, o Google nem era um negócio. O Google resulta duma tese de doutoramento e nem se chamava assim no início do seu desenvolvimento na Universidade de Stanford. Chamava-se BackRub

   
   
   

Poderá ainda ter interesse nos seguintes temas:

Poderá ainda ter interesse nos seguintes temas:
   
Autor Carlos Ascensão